Para construir um mundo sustentável, em uma era de profunda interdependência econômica e ambiental, cada pessoa, cada país, cada organização é desafiado a filtrar a sabedoria e o know-how herdados para tirar o melhor de sua história, deixar para trás as lições que não servem mais, e inovar, não para modificar sua causa, mas pela causa da conservação e preservação dos valores e das competências que julgam mais essenciais e preciosos.

Heiftetz, Grashow and Linsky
A Prática da Liderança Adaptativa

Carta do Presidente

A origem da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal (FMCSV), que teve como protagonista o casal Gastão Eduardo de Bueno Vidigal e Maria Cecília Souto Vidigal, traz na raiz o “olhar para frente” e, por consequência, a inovação. Há 49 anos, a leucemia era uma estranha desconhecida não só para a sociedade, mas para boa parte da classe médica. A perda da filha caçula do casal, à época com 13 anos, teve grande impacto emocional em toda a família, como não poderia deixar de ser. Mas também, como em outros casos que conhecemos mundo afora, levou os pais a buscarem “o próximo passo” e não o “olhar para trás”.

O casal Vidigal transformou sua dor em uma organização referência na área da hematologia. Não temos os números, mas, em conversas com especialistas, frequentemente escutamos que a FMCSV ajudou desde seu inicio a salvar muitas vidas. Em 2001 foi-se um dos instituidores da FMCSV, Dr.Gastão. No final de 2013, Dona Maria Cecília juntou-se a seu marido, de muitas estórias e histórias.

Eles se foram, mas deixaram como herança valores imprescindíveis ao nosso trabalho, que hoje é pela Primeira Infância: a busca constante pela inovação, o compromisso e a dedicação plena à causa. É por isso que escolhi para abrir esta carta um parágrafo sobre liderança adaptativa. O texto é recente (2009), mas, em minha opinião, poderia ser parte de uma “Carta do Presidente” quando do lançamento da FMCSV, em 1965.

O grande desafio que nos move é como transformar “a causa” da Primeira Infância, o investimento na criança, que é a base de toda e qualquer sociedade, em um tema que realmente seja prioridade para o Brasil. Para isso, por vezes, somos desafiados por parceiros, pessoas e pela própria realidade. Para isso, constantemente, nos desafiamos. Para isso, por vezes, desafiamos nosso Conselho a nos apoiar em ideias/projetos que, nem sempre, são “tradicionais”.

A parceria que concretizamos no final de 2013 com a ONG Grand Challenges Canada (GCC) foi uma dessas “iniciativas fora da caixa”. Ela permitiu que instituições brasileiras tivessem acesso ao edital “Saving Brains”, que desafia organizações (ONG´s, universidades, governos e empresas) a buscarem soluções inovadoras para problemas complexos que afligem a Primeira Infância.

Tivemos mais desafio e inovação na continuidade do Núcleo Ciência Pela Infância (NCPI) - parceria entre a Universidade de Harvard, a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, o Insper e a FMCSV. O NCPI se consolidou em 2013 com avanços significativos. Temos conseguido mobilizar o desenvolvimento/aprimoramento de projetos de Primeira Infância em municípios (São Paulo, Arapiraca e Fortaleza), estados (Goiás e Pernambuco), e mesmo dentro do Governo Federal (Ministério da Saúde).

Não paramos por aí. A expansão do Programa Primeiríssima Infância, o lançamento da segunda fase da parceria com o Canal Futura (Nota 10 Primeira Infância – 4 a 6 anos), e o sucesso do III Simpósio Internacional são algumas das realizações de 2013. Ainda há muito mais, mas não podemos adiantar tudo, afinal, queremos que vocês realmente leiam este relatório.

Porém, há um ponto que não podemos deixar passar “em branco” e que, em parte, reflete o não cumprimento de algumas de nossas metas pactuadas para 2013. Trata-se da grande dificuldade (apesar de alguns bons avanços) que enfrentamos para evoluir dentro das nossas expectativas no Programa São Paulo pela Primeiríssima Infância, que é uma parceria com a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo.

Mas agir de forma inovadora é assim mesmo. Precisa ousar, precisa arriscar e precisa saber errar. As dificuldades e os fracassos fazem parte do caminho e nos ensinam muito. Ensinam-nos que temos de fazer cada vez mais e melhor para tentar conduzir a FMCSV honrando os princípios e os sonhos de nossos fundadores e de nossos mantenedores: dr. Gastão Eduardo de Bueno Vidigal, sra. Maria Cecília Souto Vidigal e família.

Boa leitura!

Eduardo de C. Queiroz
Diretor Presidente