Um patrimônio a serviço do
desenvolvimento infantil

A cada ano, a Fundação Maria Cecília Souto Vidigal planeja
cuidadosamente os investimentos que fará no ano seguinte para
fortalecer a causa da criança pequena e cumprir seus objetivos de
fomentar ações e intervenções que respondam às necessidades
de desenvolvimento integral e integrado de seu público-alvo. A
organização também mantém um rigoroso controle financeiro para
otimizar recursos e manter a qualidade das iniciativas que
protagoniza ou que apoia, de entidades parceiras.

Contas em dia

Em 2013, as demonstrações financeiras, preparadas pela equipe administrativa-financeira da
FMCSV, foram auditadas pela KPMG, e consideradas adequadas em todos os aspectos
relevantes, conforme descrito no parecer daquela empresa.

Em 2013, a FMCSV destinou R$ 11,9 milhões aos seus programas, projetos e ações e fortaleceu a
estratégia de realizar parcerias com outras instituições para otimizar e ampliar o impacto de
seus investimentos. Em comparação ao ano passado, houve um aumento nos investimentos de
19%. Nesse ano, os parceiros contribuíram com R$ 322 mil em co-funding e tivemos R$ 94 mil
em trabalho voluntário.

Um olhar no longo prazo

Como quase todos os gestores sabem, não existe um modelo definitivo para administrar uma
fundação. A gestão é um processo em constante evolução, tanto pela busca da prestação de
melhores serviços como resposta às novas demandas que não param de surgir.

Ano após ano, a FMCSV aprende que é preciso reavaliar as ferramentas atuais para torná-las
mais ágeis e adaptadas às necessidades. Para isso, em 2013 contratou uma consultoria para a
implantação de um novo modelo de gestão que conseguisse representar, materializar, apoiar e
monitorar melhor as ações e os anseios da fundação.

Nesse modelo, foram definidas as intenções
estratégicas para cinco anos (2013-2017):

Um modelo de gestão renovado

Outra iniciativa foi a realização de uma análise SWOT (Fortalezas, Fraquezas, Oportunidades e
Ameaças) da FMCSV.

A partir desse primeiro movimento, definiram-se treze estratégias, transformadas em metas
institucionais e desdobradas para gerentes e coordenadores da equipe da organização. Em
reuniões mensais, as metas, os resultados e possíveis desvios de percurso eram discutidos,
assim como planos de ação para superar os impasses.

Os ganhos desse tipo de gestão são inúmeros: mais disciplina na maneira de controlar os
projetos; maior visibilidade do que tem sido feito e seus resultados; mais foco naquilo que se quer
alcançar; maior integração por meio de fóruns e discussões internas sobre as estratégias;
definição de um orçamento mais condizente com as ações que serão empreendidas; mais
clareza de onde dispor recursos e energias; fortalecimento de uma visão mais crítica das ações
para garantir que elas agreguem valor à causa, à missão e às estratégias pensadas;
mais segurança e assertividade para o enfrentamento de possíveis obstáculos.

Uma equipe bem afinada

Depois da Pesquisa de Clima, realizada com a equipe da FMCSV em 2012, a organização tem investido ainda mais na estruturação dos processos de gestão de pessoas, contando com o suporte de uma consultoria especializada com a qual construiu um Plano Estratégico com ações para 2013 e 2014.

No ano passado, uma das iniciativas realizadas, previstas pelo Plano, foi a estruturação do Guia de Gestão Estratégica de Pessoas, esclarecendo as diretrizes de processos de gestão como recrutamento e seleção, integração de colaboradores, benefícios, dentre outros temas.

Também se deu a implantação do Comitê de Cultura da FMCSV, com representantes de todas as áreas, para planejar ações que fortaleçam a convivência, a troca de informações e o bem-estar da equipe.

O tema Gestão de Pessoas foi introduzido nas reuniões semanais de gerentes com o objetivo de desenvolver as habilidades e competências das lideranças por meio do compartilhamento de experiências e conhecimentos.

A tecnologia da informação para potencializar a causa

Uma organização que pretenda dialogar com todos os setores, disseminar conhecimento e fazer chegar a milhares de pessoas práticas bem-sucedidas em favor da criança pequena tem de investir na tecnologia da informação para alcançar resultados em um curto espaço de tempo e com o mínimo de recursos possíveis.

A equipe também precisa estar munida de ferramentas tecnológicas de ponta para realizar o seu trabalho sempre que necessário e de qualquer lugar. Para facilitar o acesso a todos os dados, em 2013, a internet da organização recebeu um upgrade de 4 para 10 Mb.

Outra boa notícia é que a história e todos os registros do trabalho realizado pela instituição estão mais protegidos. Mesmo que um incidente aconteça e apague arquivos das máquinas ou da rede, agora a FMCSV já tem o sistema de cópia dos dados na “nuvem”, um ambiente virtual externo que guarda com segurança documentos importantes e essenciais.

A área de Tecnologia da Informação
da FMCSV dá suporte às demais áreas e garante, também, que o internauta possa acessar o acervo digital do site da organização, usando uma avançada ferramenta de busca. Essa inovação permitiu que em 2013 fossem feitos mais de 10 mil downloads de documentos do site.

Também viabilizou a participação de mais de cinco mil pessoas no III Simpósio Internacional, de qualquer parte do mundo. Era só clicar no link da transmissão para assistir às palestras e enviar perguntas aos debatedores.

Um fundo patrimonial mais protegido

Para garantir maior autonomia financeira e gerar receitas que contribuam à realização de seus objetivos sociais e à manutenção de seu patrimônio, a FMCSV criou um fundo patrimonial. Ele é gerido com base em uma política de investimento recomendada pelo Comitê de Investimentos e determinada pelo Conselho de Curadores.

O orçamento é elaborado pela equipe a cada final de ano e passa pela sanção do Conselho de Curadores. O valor total é aprovado pelo Ministério Público e direcionado a uma conta gerida pela área administrativo-financeira.

Foi um ano extremamente desafiador para o Fundo Patrimonial e para todos investidores institucionais. O cenário econômico brasileiro apresentou sinais de enfraquecimento fazendo com que os preços dos ativos sofressem perdas em 2013.
O Comitê de Investimento deu importantes passos para alinhar o Fundo Patrimonial a esse difícil cenário, com recomendações estratégicas ao Conselho de Curadores ao longo do ano, minimizando os efeitos da alta volatilidade do mercado financeiro.

O trabalho conjunto do Conselho de Curadores, Comitê de Investimentos e Equipe ratificou o forte compromisso com projetos relacionados à missão da FMCSV, sem prejuízo para a perpetuidade da organização, conduzindo de forma prudente os investimentos.

Apesar de o Fundo Patrimonial ter encerrado 2013 com o retorno negativo de 5,47%, com um prejuízo financeiro de R$ 21 milhões, essas ações de longo prazo poderão proteger os recursos das incertezas do mercado. Uma crise que, no final, se transformou em muito aprendizado.

Batendo metas e reafirmando o compromisso
com a criança pequena

No final do ano de 2012, a FMCSV definiu três metas que perseguiria no ano seguinte. A maioria delas foi cumprida em 2013, indo além do esperado:

Meta 1

Atingir 42 mil profissionais e gestores
públicos por meio dos canais de
comunicação.

O desempenho dos canais de comunicação
da FMCSV superou as expectativas e a meta
foi alcançada já em setembro. Até dezembro,
53 mil profissionais foram impactados por
esses canais.

Meta 2

Atingir 183 municípios com disseminação de
conteúdos e práticas de desenvolvimento
para a Primeira Infância.

Não atingimos esta meta. Um estudo
elaborado em parceria com uma instituição,
voltado à sensibilização dos novos prefeitos
sobre a importância do investimento na
Primeira Infância, não foi realizado com a
qualidade esperada e exigida pela FMCSV, e
acabou não sendo concluído nem distribuído
aos municípios brasileiros. Durante 2013, a
FMCSV atingiu 35 cidades, incluindo as que
participaram do Programa Primeiríssima
Infância e as que receberam os “Guias para
a Elaboração de Planos Municipais pela
Primeira Infância”.

Meta 3

Mobilizar 65 novas lideranças para o
desenvolvimento voltado à Primeira Infância.

A FMCSV superou a meta, mobilizando lideranças por meio de diversas iniciativas, entre elas o
Programa de Liderança Executiva, que impactou 40 líderes, o Workshop para Jornalistas,
envolvendo 6 profissionais da imprensa, o Grupo de Investidores pela Primeira Infância, que
contou com 5 apoiadores, o Encontro de Mães Blogueiras, com 12 adesões, e os Seminários
Regionais da Associação Brasileira de Magistrados, Promotores de Justiça e Defensores Públicos
da Infância e da Juventude, que mobilizou 35 participantes. Ações que envolveram quase 100
líderes e decisores sociais.